Conéctate con nosotros

Hola que estas buscando

Cinema

Crítica: Con amor, Simon

Una de las películas más increíbles que vi en el cine en 2018 cuando se estrenó. ¡Te invito a conocer mi reseña!

“Com Amor, Simon” é um excelente filme sobre o medo de ser desaprovado. Na prática, viver à espera da aprovação do outro é, decerto, um grande vazio, mas quando o outro consiste em sua família e em seus melhores amigos, a situação adquire nova configuração.


No filme, “Com amor, Simon”, Simon passa por uma onda de autoconhecimento, autodescoberta, autoestima e autorreflexão, afinal ele descobre que é gay e tem certeza absoluta disso. Mas e as pessoas ao seu redor? Será que seus amigos e familiares vão enxergá-lo da mesma forma no momento em que ele mostrar quem é de verdade?

É exatamente nesse instante em que o personagem conhece Blue, ele inicia a fase da paixão, do amor à primeira vista (neste caso, o primeiro e-mail enviado), que o deixa distraído, curioso, ansioso e com borboletas no estômago. Sinceramente, não tem como não se identificar com Simon.

Contudo, exatamente no minuto em que seu segredo é tirado de suas mãos, uma nova série de sentimentos surge: raiva de Martin, medo de decepcionar seus amigos e seus pais; medo de afastar Blue, de se machucar e não saber mais quem ele é.

É neste desenvolvimento que o roteiro de Com Amor, Simon prende a nossa atenção até o fim, pois acompanhamos os dilemas do protagonista, a relação bonita com sua família e a amizade com Leah (Katherine Langford), Abby e Nick (Jorge Lendeborg Jr) que é gostosa de acompanhar.

O filme acerta ao escalar um elenco teen que tem uma química natural, funcional e um entrosamento íntimo que dá a sensação de que o espectador também faz parte daquele grupo. Como o foco é em Simon, não temos um aprofundamento maior nos personagens secundários, apenas nos arcos quando o protagonista está presente.


De todos, Abby é quem ganha um pouco mais de espaço na trama e o público tem detalhes sobre sua família e passado. Mas isso não quer dizer que seja ruim, pelo contrário, o grupo faz o filme funcionar.

No filme “Com amor, Simon”, os pais do Simon têm poucas aparições, mas conseguem se destacar em todas elas, tanto com o carisma de Duhamel quanto o carinho de Garner.

Aliás, na reta final, ambos têm uma cena que podem fazer o público se emocionar.

Quem também pouco aparece, mas faz bonito é a professora de teatro Mrs. Albright (Natasha Rothwell) que tem momentos ácidos e engraçados e uma cena digna de aplausos.

Já Tony Hale interpreta o excêntrico diretor Mr. Worth que tem uma personalidade inusitada que gera até algumas cenas “vergonha alheia”, mas com a finalidade de se enturmar com os jovens.


Ainda assim, o filme conta uma trilha sonora bem eclética, funciona como romance, como drama adolescente e como comédia. Super recomendado!

Aproveito também para recomendar a todos que possuem o Star+, serviço da Disney, assistirem o filme e também o “Com amor, Victor”, que terá um post especial em breve aqui no Coliseu Geek! 🙂


Escrito por

Mi nombre es Juan de Souza, tengo 22 años, soy empresario, inversor, blogger, streamer y podcaster. Comencé mi primer negocio a la edad de 10 años, usando una conexión de acceso telefónico en Brasil. Empresas fundadas como TFX, Juan de Souza Media, Coliseu Geek, EcoVision, entre otras.

Comentarios

Vea lo que le recomendamos sobre nuestro Coliseu:

Cinema

¿Recuerdas la clásica película de Disney: 101 Dálmatas? ¡Siéntete nostálgico con nosotros en este artículo especial!

Cinema

La Sword Era a Lei es uno de los grandes clásicos jamás creados por Disney en los últimos años. ¡Recuerda este clásico!

Cinema

¡Echa un vistazo a nuestra revisión especial y descubre si vale la pena ver la película Los pingüinos de Madagascar de Dreamworks Animation!

Cinema

Echa un vistazo a algunos datos divertidos sobre WALL-E que deberían hacerte sentir nostálgico, además de conocer datos divertidos sobre WALL-E.